Rua Tabatinguera, 318 - Centro - São Paulo - SP

25 de nov de 2011

Festa do Livro na Livraria Marxista

Livraria Marxista oferece 50% de desconto em vendas diretas nos dias 23 e 24 de dezembro para os livros da Editora Marxista e Editora Luta de Classes.

Em função do adiamento da XIII Festa do Livro da USP 2011 e afim de atender às expectativas de seus clientes, autores e amigos, a Livraria Marxista anuncia esta dupla Promoção de Fim de Ano:

1. Venda de livros da Editora Marxista e Editora Luta de Classes com 50% de desconto na loja da Livraria Marxista em São Paulo somente nos dias 23/12 das 9h às 18h e 24/12 das 10h às 14h.

2. Frete zero para todo o Brasil na compra dos livros de Alan Woods pela internet em nosso site durante todo o mês de Dezembro! Além do frete zero há descontos de até 37,5%. Confira os títulos aqui: Alan Woods com Frete Grátis

Endereço da loja em São Paulo:
Rua Tabatinguera, 318 - Centro
(próximo ao metrô Sé)

Livraria Marxista

2 de nov de 2011

O lendário Grundrisse de Karl Marx

PROMOÇÃO DE FIM DE ANO:
DE R$ 79,00 POR APENAS R$ 70,00.

Compre pela internet na Livraria Marxista!

Muito mais que “esboços” ou adiantamento da obra maior de Karl Marx, os três manuscritos econômicos de 1857-1858 que compõem os quase lendários Grundrisse constituem patrimônio das ciências humanas de inestimável valor. Parte de uma luta ideológico-política pela exclusividade do “verdadeiro” Marx, a obra somente veio à luz já na primeira metade do século XX, em virtude dos conflitos centrados no controle que o Partido Comunista da ex-URSS exerceu sobre os escritos não divulgados do filósofo alemão. Considerados inicialmente espécie de amostra ou work in progress do que viria a ser a obra central de Marx, sabe-se hoje que examinar os Grundrisse é como ter acesso ao laboratório de estudos de Marx no curso de sua extensa atividade intelectual, o que permite acompanhar a evolução de seu pensamento, as áreas específicas de interesse que deles se desdobram, e, sobretudo, compreender no detalhe o seu método de trabalho.

Publicada integralmente e pela primeira vez em português, esta obra crucial de Marx para o desenvolvimento de sua crítica da economia política consiste em três textos bastante distintos entre si em natureza e dimensão. O primeiro, que só mais tarde o filósofo intitularia “Bastiat e Carey”, foi escrito em um caderno datado de julho de 1857. O segundo, contendo o que seria uma projetada Introdução à sua obra de crítica à economia política, é de um caderno de cerca de trinta páginas, marcado com a letra M e redigido, ao que tudo indica, nos últimos dez dias de agosto de 1857. O terceiro manuscrito, e o mais extenso, compreende a obra póstuma de Marx que ficou conhecida como Esboços da crítica da economia política, ou simplesmente Grundrisse, conforme o título da edição alemã. Tal texto consiste em dois capítulos (“Capítulo do dinheiro” e “Capítulo do capital”) distribuídos em sete cadernos numerados de I a VII. Segundo Francisco de Oliveira, professor de sociologia da Universidade de São Paulo (USP), na capa do livro, “o vigoroso teórico pode ser justamente tido como um escritor de primeira plana; ele tinha, sem muita modéstia, inteira consciência de seu valor literário e, talvez por exagero – e que temperamento! –, tenha deixado na obscuridade muitos textos dos Grundrisse e que estão agora com os leitores do Brasil e de outras paragens para nossa delícia teórica e nossas elaborações na tradição marxista”.

Trabalho de anos de tradução rigorosa diretamente dos originais em alemão, com coedição da Boitempo Editorial e Editoria UFRJ, os Grundrisse constituem a versão inicial da crítica da economia política, planejada por Marx desde a juventude e escrita entre outubro de 1857 e maio de 1858. Ela seria depois muitas vezes reelaborada, até dar origem aos três tomos de O Capital. “O fato de ser uma primeira versão não faz destes escritos algo simples ou de mero interesse histórico. Além de entender o ponto de partida da grande obra de maturidade de Marx, eles permitem vê-la de uma perspectiva especial só possível com manuscritos desse tipo, pois, como não pretendia ainda publicá-los, o autor os considerava uma etapa de seu próprio esclarecimento, concedendo-se liberdades formais abolidas nas versões posteriores”, afirma na orelha o professor de história da USP, Jorge Grespan.

Segundo o tradutor e supervisor da edição, Mário Duayer, mesmo diante de mazelas da vida, o prognóstico de uma crise econômica iminente forneceu a Marx o estímulo para pôr no papel as descobertas de seus longos anos de estudos de economia política e dar uma primeira forma à sua crítica. “Vivendo em extrema pobreza, permanentemente sitiado por credores, cliente habitual de lojas de penhor, castigado por problemas de saúde e devastado pela morte prematura de quatro dos seus sete filhos – decerto em virtude das condições materiais em que vivia a família –, o que de fato surpreende é como ele foi capaz de produzir, nessas circunstâncias, não só um trabalho tão magnífico, uma das obras científicas mais importantes e influentes de todas as épocas, mas, acima de tudo, uma obra motivada por uma paixão genuína pelo ser humano”.

Trecho do livro

“Carey, cujo ponto de partida é a emancipação da sociedade burguesa do Estado na América do Norte, termina, entretanto, com o postulado da intervenção do Estado para que o desenvolvimento puro das relações burguesas, como de fato ocorreu na América do Norte, não seja perturbado por influências exteriores. Ele é protecionista, ao passo que Bastiat é livre-cambista. A harmonia das leis econômicas aparece em todo o mundo como desarmonia, e os primeiros indícios dessa desarmonia surpreendem Carey inclusive nos Estados Unidos. De onde vem esse estranho fenômeno? Carey o explica a partir da influência destrutiva da Inglaterra sobre o mercado mundial com sua ambição ao monopólio industrial. Originalmente, as relações inglesas foram distorcidas no interior do país pelas falsas teorias de seus economistas. Atualmente, como poder dominante do mercado mundial, a Inglaterra distorce a harmonia das relações econômicas em todos os países do mundo. Essa é uma desarmonia real, de maneira nenhuma baseada meramente na concepção subjetiva dos economistas. O que a Rússia é politicamente para Urquhart, a Inglaterra é economicamente para Carey. A harmonia das relações econômicas, para Carey, baseia-se na cooperação harmônica de cidade e campo, de indústria e agricultura. Essa harmonia fundamental, que a Inglaterra dissolveu em seu interior, ela destrói por meio de sua concorrência no mercado mundial e, assim, é o elemento destrutivo da harmonia universal.”

1 de nov de 2011

Alan Woods com Frete Grátis

A Livraria Marxista está com uma promoção imperdível para quem faz compras através do nosso site na internet. Durante o fim de novembro e todo o mês de Dezembro de 2011, todos os livros do Alan Woods podem ser adquiridos com frete grátis para todo o Brasil! É isso mesmo! Você compra pela internet, nós entregamos na sua casa e você só paga o valor do livro! Confira:


RAZÃO E REVOLUÇÃO
Filosofia Marxista e Ciência Moderna
de R$ 40,00 por apenas R$ 25,00
Autores: Alan Woods e Ted Grant
Páginas: 508
Frete grátis para todo o Brasil até acabar o ano ou o estoque!



REFORMISMO OU REVOLUÇÃO
Marxismo e Socialismo do Século XXI - Vol. 1
de R$ 25,00 por apenas R$ 20,00
Autor: Alan Woods
Páginas: 240
Frete grátis para todo o Brasil até acabar o ano ou o estoque!



REFORMISMO OU REVOLUÇÃO
Marxismo e Socialismo do Século XXI - Vol. 2
de R$ 25,00 por apenas R$ 20,00
Autor: Alan Woods
Páginas: 189
Frete grátis para todo o Brasil até acabar o ano ou o estoque!



TREMORES REVOLUCIONÁRIOS
Uma análise marxista da atual onda revolucionária
nos países árabes
R$ 15,00 (últimos exemplares)
Autor: Alan Woods
Páginas: 72
Frete grátis para todo o Brasil até acabar o ano ou o estoque!


(11) 3104-0111

20 de jun de 2011

Lançamento do livro "Peões em Cena - Grupo de Teatro Forja"


Dia 1º de Julho, sexta-feira, às 19:30
No auditório da Livraria Marxista
Rua Tabatinguera, 318 (próximo ao metrô Sé)
São Paulo - SP

Haverá coquetel, sessão de autógrafos com o autor Tin Urbinatti e ainda a apresentação do monólogo "Depois de Tudo".

É um livro que resgata a história do Grupo de Teatro Forja, composto por metalúrgicos do ABC no fim dos anos 70 e início dos anos 80.

Teatro de palco, teatro de rua, teatro para espaço não convencional; criação coletiva (ou colaborativa) de um texto; movimento sindical: o teatro como força auxiliar na luta de uma campanha salarial ou na retomada do Sindicato sob intervenção da ditadura militar; cultura e sindicalismo; a construção de uma estética operária. Esses são os ingredientes do livro "Peões em Cena". E mais, entrevistas com os operários-atores, análises dos críticos sobre os espetáculos apresentados, repercussão dos trabalhos do Grupo de Teatro Forja dentro e fora do Brasil.

A edição reproduz ainda dois textos de criação coletiva do grupo: "Pensão liberdade" e "Pesadelo".

O livro também pode ser adquirido pela internet (entrega em qualquer parte do Brasil) neste link:



16 de jun de 2011

Lançamento do livro "Flaskô: Fábrica Ocupada"

A Livraria Marxista tem o prazer de convidar a todos(as) para o lançamento do livro "Flaskô: Fábrica Ocupada". Haverá bate-papo com trabalhadores da fábrica e sessão de autógrafos.

Há mais de 8 anos, depois de abandonada pelos antigos proprietários, a fábrica de embalagens plásticas Flaskô, em Sumaré-SP (região de Campinas), foi ocupada pelos trabalhadores, como forma de garantir seus postos de trabalho. O livro-reportagem de Camila Delmondes e Luciano Claudino relata histórias de vida desses que, lutando para pagar as dívidas da antiga administração - que somam mais de 110 milhões de reais - reivindicam a estatização da fábrica pelo Governo Federal. Para concretizar esse sonho, organizam protestos e estabelecem alianças com outros movimentos sociais. Na tentativa de equilibrar pendências financeiras e o pagamento dos próprios salários, enfrentam o Estado, a Justiça e a opinião pública.

O livro também pode ser adquirido pela internet aqui:
http://www.livrariamarxista.com.br/livros/movimento_operario/flasko:-fabrica-ocupada

Lançamento do livro "Flaskô: Fábrica Ocupada"
Segunda-Feira, 20 de junho de 2011 às 19:30

Livraria Marxista
Rua Tabatinguera, 318 - Centro (próximo ao metrô Sé)
São Paulo - SP
(11)3104-0111

1 de nov de 2010

5 de out de 2010

PROGRAMAÇÃO OUTUBRO

FOTOGRAFIA
FACES POÉTICAS DE SÃO PAULO
Exposição Fotográfica por Joana Baraúna
Coquetel de Abertura - 05 de outubro às 19h

A exposição fotográfica da poeta e artista visual Joana Baraúna retrata um olhar poético e investigativo sobre a região central da cidade. As paisagens urbanas estão registradas como memória de moradora e impressas como poesia da alma e do espírito.

Período: 05/10 a 29/10 de 2010
Segunda a Sexta das 09h às 18h e Sábado das 10h às 14h.


TEATRO
RESIDÊNCIAS NÔMADES
Teatro Parabelo

O Coletivo Teatro Parabelo realiza cinco residências artisticas, de caráter nômade, aprofundando a experimentação de 3 espetáculos: Mercadoria: Senhora do (Des)Empregados, Post Macumba e Peça Coração. Nas residências, o coletivo compartilha o processo criativo do espetáculo intervenção com o público, por meio de ensaios abertos.

Dias: 
08.out. sexta: 19h as 22h
09.out. sábado: 10h as 14h

15.out. sexta: 19h as 22h
16.out. sábado: 10h as 14h

22.out. sexta: 19h as 22h
23.out. sábado: 10h as 14h

29.out. sexta: 19h as 22h
30.out. sábado: 10h as 14h

http://www.teatroparabelo.blogspot.com/

21 de set de 2010

SHOW COM GUNNAR VARGAS


Nesta sexta-feira, 24 de setembro, as 20h, Gunnar Vargas apresentará as canções do seu novo cd "Circo Incandescente", ainda em fase de gravação, no qual, através de sambas, conta a história de um casal que, após apaixonados e casados, encontram dificuldades financeiras para manter a casa. Com ironia, tristeza, libído, a vida dos dois é retratada da separação ao reencontro, com a simplicidade das histórias do povo brasileiro.

www.myspace.com/gunnarvargas
www.circoincandescente.blogspot.com
http://www.youtube.com/watch?v=3Hrwa3FySUw 

10 de set de 2010

SHOW COM ALCIDES NEVES, 10/SET


Alcides Neves canta a loucura e canta o sertão em Tempo de Fratura. Destrambelhar ou não? Artista nato, cantor, compositor, letrista e arranjador. Psiquiatra de formação e função cotidiana. Do Sertão do Ceará-Paraíba rumo à grande metrópole São Paulo. Alcides Neves canta em suas músicas esta estrada, que por nossa sorte nunca termina. Nos anos 1980 lança seu primeiro LP Tempo de Fratura, “... soa um ruído dentro da música brasileira... respostas possíveis para a descomunal diferença entre palavra e som na música brasileira... (Maurício Kubrusly – Som Três – Set. 80)”, ou “... surge como uma dupla revelação: Alcides Neves vem contribuir com inovações não apenas na parte dos poemas... mas na parte da música... Alcides Neves tem lugar garantido no panorama da música popular brasileira... (J. Tinhorão – J.Brasil, Caderno B, abril 80)”. 
Em 1983 lança em São Paulo o seu segundo LP, “Destrambelhar ou não”. E seu terceiro trabalho, lança em CD “DR. Louk’Américas, “... nestes tempos de piratas e forró cearense, que nada tem a ver com o Ceará de Alcides... A dodecafonia do aboio e o baião arrevesado de Alcides têm origem mesmo naqueles tempos em que ouvíamos ao violão no Teatro Minerva, em Brejo de Areia... ele não emula, mas apenas segue o próprio, pessoal e velho caminho, a trilha antiga pela qual optou desde sempre. E é de gente teimosa como ele, repito, reitero, insisto, persisto, que a arte se faz longa mesmo em nossas vidas breves. Amém! (José Nêumanne, poeta, jornalista, escritor)”. 

Alcides Neves continua a fazer shows solo (voz e violão) e também conta com um conjunto base e convidados. Mesmo divulgando seu mais recente trabalho o CD “DR. Louk’Américas, ele também traz em seus shows músicas de seus dois LPs anteriores e outras inéditas.

ATIVIDADE 15/SET CANCELADA

A atividade programada para o dia 15/setembro foi cancelada.
Contamos com a sua compreensão. .

30 de ago de 2010

PROGRAMAÇÃO DE SETEMBRO



Até 11/set . segunda a sexta, das 13h as 18h
EXPOSIÇÃO: Mapa Xilográfico Bela Vista/Bixiga

com Coletivo Mapa Xilográfico
O Coletivo Mapa Xilográfico, desde 2006, desenvolve um projeto artístico de investigação histórica dos bairros/cidades, mediante o mapeamento das árvores cortadas nas ruas, utilizando-se da técnica da Xilogravura para a impressão da superfície dos troncos, relacionando, de forma simbólica, árvores e moradores como testemunhas do processo de urbanização e seus desdobramentos.

Quinta.02/set.19h
DEBATE: Indústria cultural e capitalismo contemporâneo

com Trabalhadores da Arte
 2o módulo de formação sobre Arte e Marxismo a partir do texto escrito por trabalhadores da arte. Mais que apontar questões, busca ações e estratégias que permitam a resistência e organização dos trabalhadores da arte neste momento que vivemos, a partir de nossas experiências e vivências.

Sexta.03/set.20h
CINECLUBE ESPECIAL: Batalha do Chile - Parte 1

de Patrício Guzmán
Sessão especial pelo 11 de setembro de1973 no Chile, data do golpe militar de Pinochet. O filme é um documento histórico com imagens de época que resgata, por um lado, a experiência do governo de Allende e a crescente  organização e mobilização popular, por outro, toda a orquestração do golpe de Estado pelo imperialismo.

Sexta.10/set.20h
MÚSICA: Alcides Neves
 

Alcides Neves canta a loucura e canta o sertão em Tempo de Fratura.  Destrambelhar ou não? Artista nato, cantor, compositor, letrista e arranjador.  Psiquiatra de formação e função cotidiana. Do Sertão do Ceará-Paraíba rumo à grande metrópole São Paulo. Alcides Neves canta em suas músicas esta estrada, que por nossa sorte nunca termina.

Quarta.15/set.19h 
ATIVIDADE CANCELADA

Quinta.16/set.19h
DEBATE:
A cultura popular transformada em mercadoria
com Trabalhadores da Arte
 
3o módulo de formação sobre Arte e Marxismo a partir do texto escrito por trabalhadores da arte. Mais que apontar questões, busca ações e estratégias que permitam a resistência e organização dos trabalhadores da arte neste momento que vivemos, a partir de nossas experiências e vivências.

Sexta.17/set.20h
TEATRO: Em Pedaços

Engenho Teatral
 

O espetáculo parte do cotidiano da periferia, abordando desde o desejo sexual adolescente até impasses da economia de mercado, em cenas curtas e independentes, num ritmo alucinante, dinâmico e nada discursivo, próprio da TV e do vídeo-clip.

Sexta.24/set.20h
MÚSICA: Gunnar Vargas
 

Show com as canções do seu novo CD Circo Incandescente, em gravação. Através de sambas, conta a história de um casal que, após apaixonados e casados, encontram dificuldades financeiras para manter a casa. Com ironia, tristeza, libído, a vida dos dois é retratada da separação ao reencontro, com a simplicidade das histórias do povo brasileiro.

ENTRADA FRANCA!!!
R. Tabatinguera, 318 – Sé (próx. ao metrô Sé)
Tel: 3104-0111

23 de ago de 2010

3 de ago de 2010

PROGRAMAÇÃO DE AGOSTO




QUARTA. 04/08. 20h
Cineclube Pagu - "Antes da Revolução"
Segundo filme do diretor Bernardo Bertolucci, realizado em 1964, conta a história de Fabrizio (Francesco Barilli), um jovem de 22 anos, que passa por uma fase de indecisão política e afetiva. Apesar de renegar a burguesia, não se sente à vontade no movimento revolucionário, por considerar-se à frente das ideologias da esquerda. Ao mesmo tempo vive um amor conturbado com sua tia. 115 minutos em preto e branco.

SEXTA. 06/08. 20h
Espetáculo de dança contemporânea - "Memorial do Quarto Escuro"
O quarto é o sítio da intimidade, onde se encarnam memórias, angústias, desejos e esperanças, onde cada um está à mercê de sua consciência, e qualquer tentativa de aparência é inútil.

Com Edson Calheiros; Direção: Nana Pequini; Cenografia: Gustavo Ayala; Projeto de luz: Rui Ricardo Diaz; Trilha sonora: Allen Ferraudo

SÁBADO. 07/08. 15h
Tarde de vídeo e debate - Lutar não é crime!
Exibição do documentário “Intervenção” que trata da criminalização e perseguição sofrida pelo Movimento das Fábricas Ocupadas no Brasil, seguido de debate com trabalhadores da Flaskô, fábrica ocupada sob controle dos trabalhadores em luta pela estatização.

QUARTA. 11/08. 20h
Cineclube Pagu - "A Batalha de Argel" 
Filme de 1965, do diretor italiano Gillo Pontecorvo que descreve eventos decisivos da guerra pela independência da Argélia, um marco do processo histórico de libertação das colônias européias na África. A ação concentra-se entre 1954 e 1957 [a guerra só terminaria em 1962], mostrando como agiam os dois lados do conflito: enquanto o exército francês recorria à política de eliminação e à tortura, a Frente de Libertação Nacional [FLN] desenvolvia técnicas não convencionais de combate baseadas em táticas de guerrilha bem elaboradas. 121 minutos em preto e branco.

SEXTA. 13/08. 20h
Abertura da Exposição Mapa Xilográfico Bela Vista/Bexiga - de 13/08 a 11/09
O Coletivo Mapa Xilográfico, desde 2006, desenvolve um projeto artístico de investigação histórica dos bairros/cidades, mediante o mapeamento das árvores cortadas nas ruas, utilizando-se da técnica da Xilogravura para a impressão da superfície dos troncos, relacionando, de forma simbólica, árvores e moradores como testemunhas do processo de urbanização e seus desdobramentos.

QUARTA. 18/08. 20h
Cineclube Pagu - "Daens"
Lançado no Brasil com o subtítulo "Um Grito de Justiça", o filme do diretor Stijn Coninx é ambientado na cidade de Aalst, no norte da Bélgica, no final do século XIX. A vida de trabalhadores de uma fábrica de tecidos local, onde crianças e mulheres são exploradas, começa a modificar-se com a chegada de Daens, um padre revolucionário que se muda para a cidade e vai morar na casa de seu irmão jornalista. 138 minutos.

SEXTA. 20/08. 20h
Documentário e debate -  70 anos do assassinato de Leon Trotsky
No dia 20 de Agosto de 1940, o revolucionário russo Leon Trotsky foi assassinado por Ramon Mercader, agente do stalinismo no México. Nesse dia exibiremos o documentário "Trotsky" de Alain Dugrand e Patrick le Gall, inicialmente produzido para o canal francês de televisão FR3 em 1988, com consultoria do historiador Pierre Broué. 120 minutos, cópia feita a partir de VHS.

QUARTA. 25/08. 20h
Cineclube Pagu - "Persépolis" 
É um filme de animação francês de 2007, baseado na graphic novel de autoria de Marjane Satrapi. Conta a história de uma iraniana de oito anos, que sonha em ser uma profetisa do futuro, para assim salvar o mundo. Querida pelos pais cultos e modernos e adorada pela avó, ela acompanha avidamente os acontecimentos que conduzem à queda do xá e de seu regime brutal. A entrada da nova República Islâmica inaugura a era dos “Guardiões da Revolução”, que controlam como as pessoas devem agir e se vestir. Marjane, que agora deve usar véu, deseja se transformar numa revolucionária. Mas, para tentar protegê-la, seus pais a enviam para a Áustria.

SEXTA. 27/08. 20h

Show Musical - Juh Vieira
Com quase 20 anos de estrada, Juh Vieira compõe, toca, canta, pinta e é ator. Alguns nomes com quem já tocou: Dercio Marques, Zé Geraldo, Cezinha Oliveira, Renato Braz, Daniela Lasalvia, Toninho Ferragutti, Gerson Oikawa, Bré. Como ator, participou do Teatro do Viés, do Vento Forte e, há 3 anos, do Engenho. Neste grupo de teatro, foi ator, compositor e diretor musical do espetáculo OUTRO$ 500. Juh Vieira vai mostrar nessa apresentação suas composições presentes no primeiro CD, Desclassificado, e em seu novo CD, Pecados Cotidianos, este em processo de mixagem.

1 de jul de 2010

Programação Especial de Julho




Sexta, 2 de julho às 20h
Thiago Abdalla (violão solo)
Neste recital o violonista interpretará obras de três compositores: Fernando Sor (1778-1839), Heitor Villa-Lobos (1887-1959) e Miguel Llobet (1878-1938). Serão apresentadas obras de diferentes dificuldades técnicas – desde nível intermediário até o transcendental – que visam a apreciação das diversas possibilidades sonoras do violão enquanto uma pequena orquestra de possibilidades timbrísticas, texturais, harmônicas, gestuais e polifônicas.

Sábado, 3 de julho às 10h
Debate: "As revoltas nos séculos 18 e 19 no Brail e a abolição da escravatura: uma visão socialista da nossa história"
Com: José Carlos Miranda, coordenador nacional do Movimento Negro Socialista.

Quarta, 7 de julho às 20h
Cineclube Pagu (revolução espanhola): “Libertárias”
Filme de Vicente Aranda, aborda a trajetória de seis mulheres, de origens e classes sociais diferentes, que se organizam em um grupo de anarquistas para lutar na guerra civil espanhola de igual para igual com os homens, contra as tropas nacionais. Uma freira que descobre a solidariedade fora da fé, prostitutas, operárias, etc, unidas para defender seus ideais políticos. 125 minutos.

Sexta, 9 de julho às 20h
Gondoleiros do Amor
Espetáculo poético musical com poemas de Castro Alves
Concepção e Atuação: Uyara e Geraldo Fernandes
Músicos: Murilo Vilas Boas e Rogério Guardiano
Direção: Geraldo Fernandes




Quarta, 14 de julho às 20h
Cineclube Pagu (revolução espanhola): “Língua das Mariposas”
Filme de José Luis Cuerda, traz as descobertas de Moncho, um garoto de 7 anos, que tem seu sábio professor como um verdadeiro ídolo. Porém, a guerra civil espanhola chega espalhando terror e a perseguição à seu professor por suas convicções políticas. 96 minutos.

Sexta, 16 de julho às 20h
Grupo Pulso 70
Formado pelos músicos Jobi Espasiani (voz) e Thiago Abdalla (violão), o grupo apresentará Modinhas e Lundús do Século XIX

Quarta, 21 de julho às 20h
Cineclube Pagu (revolução espanhola): “Terra e Liberdade”
Filme de Ken Loach conta a história de David, um membro do Partido Comunista na Irlanda que decide ir lutar na Espanha contra o fascismo, integra-se à uma mílicia e no decorrer da trama vê a contradição das lideranças do movimento, em especial a traição do stalinismo. 109 minutos.

Quarta, 28 de julho às 20h
Cineclube Pagu (revolução espanhola): "Por quem os Sinos Dobram"
Filme de Sam Wood, traz o engajamento de Robert Jordan (Gary Cooper) no conflito espanhol para defender os princípios de liberdade e democracia. Numa missão de altíssimo risco, ele aguarda o melhor momento de explodir uma ponte de importância vital para as tropas inimigas, a bela e jovem Maria (Ingrid Bergman) o ajuda em sua missão. Durante uma noite o medo da morte e a possibilidade do amor caminham lado a lado em plena guerra. 170 minutos.

A entrada é franca, mas os lugares são limitados. Os ingressos podem ser retirados gratuitamente na hora ou antecipadamente de Segunda à Sexta das 9:00 às 18:00 e aos Sábados das 10:00 às 14:00 na Livraria Marxista.

Onde: Rua Tabatinguera, 318 - Sé - São Paulo (próximo ao metrô Sé)
Contato: (11)3104-0111
www.livrariamarxista.com.br

7 de jun de 2010

Programação Especial de Junho


Pagu: 100 anos presente!
Centenário de Nascimento de Patrícia Galvão
(08 de Junho de 1910)



Sexta, 11 de Junho às 20h:
"Angu de Pagu" (dança) com Cia. Sansacroma

Sábado, 12 de Junho às 17h:
Cineclube:
"Pagu, Livre na Imaginação, no Espaço e no Tempo", de Lúcia Teixeira Furlani, com direção de Rudá de Andrade
“Eh, Pagu Eh”, de Ivo Branco

Sexta, 18 de Junho às 20h:
Abaporu com seus desarranjos antropofágicos de música instrumental contemporânea.

Sábado, 19 de Junho às 17h:
Cineclube:
"História do Movimento Operário Sindical no Brasil"

Sexta, 25 de Junho às 20h:
"Zumbi or not Zumbi" (teatro) com Grupo Py (Cia. Antropofágica)

Sábado, 26 de Junho às 17h:
Cineclube:
“Braços Cruzados, Máquinas Paradas", de Roberto Gervitz e Sérgio Toledo

A entrada é franca, mas os lugares são limitados. Os ingressos devem ser retirados gratuitamente de Segunda à Sexta das 9:00 às 18:00 e aos Sábados das 10:00 às 14:00 na Livraria Marxista.

Onde: Rua Tabatinguera, 318 - Sé - São Paulo (próximo ao metrô Sé)
Contato: (11)3104-0111 
www.livrariamarxista.com.br

28 de abr de 2010

Inauguração dia 1º de Maio



Sábado, dia 1º de Maio

15:30 - Debate sobre a Revolução Venezuelana

17:30 - Coquetel de Inauguração

18:00 - Música e performances ...até as 23:00!

- Rainer Pappon Trio (Rock Instrumental)

- Abaporu

- Chorinho (Majó, Sergio e Diego)

- Roda de Samba Antropofágica

- Dança Contemporânea

- Curtas

- Poesias